• Bispo Peres

MINISTÉRIO QUE HONRA A DEUS

Atualizado: 3 de mar.


Jesus na manjedoura

Introdução


“O teu princípio, na verdade, terá sido pequeno, porém o teu último estado crescerá em extremo” – Jó 8.7.

Todo pastor ou pastora sonha em ter um ministério abençoado, próspero e que conquiste resultados satisfatórios. Também deseja pastorear uma Igreja maior e ser reconhecido por seu trabalho.


Minha proposta com esta reflexão é oferecer algumas pistas para que vocês sejam bem-sucedidos no seu ministério.


Valorize os pequenos começos


Ninguém já nasce grande. O processo da vida tem estágios que são obrigatórios para um crescimento saudável. Nascemos pequenos e dependentes de nossos pais para sobreviver. Depois passamos pela infância, adolescência, juventude e atingimos a fase adulta. Como adultos já estamos maduros para reproduzir e dar continuidade no processo da vida.


Deve acontecer assim com o nosso ministério. Ninguém começa grande. É necessário obedecer ao ciclo de crescimento. Entendo que deveríamos valorizar os pequenos começos sempre na dependência do SENHOR para desenvolvermos o ministério que Ele tem reservado para nós.


Começar pequeno e ir galgando cada etapa do crescimento são a melhor maneira de alcançar um ministério próspero e abençoado. Um grande castelo é construído com o assentamento de tijolo por tijolo. Se fizermos bem cada etapa que Deus nos reservou, sendo obedientes às orientações que Dele recebemos, com o passar do tempo, nossa história de vida testemunhará que nos tornamos grandes homens e grandes mulheres de Deus.


Etapas a serem vencidas na Igreja Metodista


Na Igreja Metodista, denominação que escolhemos para servir a Deus, para acessar o ministério pastoral algumas etapas precisam ser cumpridas. Após três anos de membresia, a pessoa que estiver interessada em se envolver ministerialmente, como pastor/pastora da Igreja, apresentando diante da comunidade em que frequenta sinais de uma vocação, a igreja – diante dos sinais apresentados –, pode recomendá-la para cursar o Programa de Orientação Vocacional (POV). Após a aprovação no POV, com a devida recomendação, deve cursar os quatro anos de formação teológica. Ao terminar o processo de formação, o formando ou a formanda, havendo vaga no quadro pastoral da Região a que pertença, poderá receber uma nomeação e assim dar início ao seu ministério pastoral.


É importante passar por todas as etapas da formação. Os frutos do nosso trabalho são evidências de que conquistamos o sucesso ministerial. Pastorear vai além do que aprendemos no curso de formação acadêmica. O envolvimento na vida da comunidade se empenhando para ajudá-la a vencer situações que causam dor e sofrimento, ou situações de extrema alegria e contentamento, autenticará a vocação que recebemos do SENHOR.


Começando de baixo


Quando observamos o processo da vida, em todas as áreas, vemos que todas as coisas começam de baixo; entendo esta colocação como começar pequeno. Esta lei natural está impressa no DNA de todo ser vivo – conforme informação da biologia. Uma semente carrega em si todo o poder de se tornar uma gigantesca árvore ou uma hortaliça; dependendo de sua espécie ela se torna grande e frondosa obedecendo ao código genético que carrega dentro de si.


Nenhum ministério nasce grande: é necessário obedecer a todas as etapas do processo. Ministerialmente falando, carregamos em nossa vocação ministerial o poder de nos tornarmos bem-sucedidos (2 Pedro 1.4). Tudo dependerá de como deixaremos este poder se manifestar em nossa vida ministerial.


Jesus Cristo, mesmo sendo Deus encarnado, esperou cerca de 30 anos (Lucas 3.23) para que o processo de amadurecimento se completasse para a realização de sua vocação e, assim, por intermédio de sua morte, ressurreição e ascensão ao Céu, pudesse alcançar sucesso em sua missão (Filipenses 2.9-11). Conosco não é diferente. Não coloque “o carro na frente dos bois”. O nosso ministério tem etapas definidas e devemos vencer cada uma delas.


Deus nos escolheu e nós escolhemos a Igreja Metodista


Ao escolher a Igreja Metodista para a sua realização ministerial, pressuponho que você tem contentamento em realizar sua missão como orientado pela nossa denominação; que você não tentará queimar etapas no processo de seu amadurecimento ministerial em razão da responsabilidade que recebeu ao ser nomeado ou nomeada para uma Igreja local. Começar de baixo é saber valorizar e honrar a nomeação que recebeu; não banalizar o que recebeu de Deus. Veja como o Apóstolo Paulo aconselha ao jovem e iniciante Timóteo:

“Não desprezes o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbitério. Medita estas coisas; ocupa-te nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos. Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem” – 1 Timóteo 4.14-16.

Quem não valoriza o que recebeu, perde a unção e fracassa na tentativa de realizar um ministério que alcance o coração de Deus. Analise a postura de um perdedor/a, conforme narrativa que se encontra no evangelho de Mateus:

“E, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu. Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei? Devias então ter dado o meu dinheiro aos banqueiros e, quando eu viesse, receberia o meu com os juros. Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem os dez talentos. Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver até o que tem ser-lhe-á tirado” – Mateus 25.25-29.

Por estas razões, o meu conselho para você é: valorize o trabalho pastoral no lugar em que se encontra, produza frutos ministeriais e no tempo certo Deus lhe exaltará (Hebreus 10.25).


Não meça o seu ministério pelo subsídio que recebe


O sucesso ministerial não deve ser medido pelo valor do subsídio que você recebe. Quem procede deste modo sempre se encontrará insatisfeito e desejoso de um subsídio maior e nem sempre a Igreja local conseguirá remunerá-lo com o que você entende que merece receber.


Ao desenvolver um ministério conforme a orientação do SENHOR, a igreja crescerá e, naturalmente, crescerá a sua receita. Com o crescimento da receita a igreja saberá como recompensá-lo. Alguns/algumas colegas de ministério não têm conseguido êxito financeiro em seu trabalho. É bom rever e analisar a tônica que tem dado ao seu ministério. Acredito que há em você um poder que pode levá-lo/levá-la a um patamar satisfatório de crescimento espiritual, quantitativo e financeiro. Dê o seu melhor na condução da igreja. Certamente, Deus o/a recompensará. Veja o exemplo bíblico:

“E aconteceu que, voltando ele, depois de ter tomado o reino, disse que lhe chamassem aqueles servos, a quem tinha dado o dinheiro, para saber o que cada um tinha ganhado, negociando. E veio o primeiro, dizendo: Senhor, a tua mina rendeu dez minas. E ele lhe disse: Bem está, servo bom, porque no mínimo foste fiel, sobre dez cidades terás autoridade” – Lucas 19.15-17.

Exerça um ministério com relações fraternas


Se a igreja em que você se encontra é pequena aprenda a amá-la; visite os seus membros; valorize cada um deles; dispense todo o cuidado necessário; instrua-os ao desenvolvimento do discipulado até que nele se forme a imagem de Cristo. Certamente, você terá discípulos mais maduros e ativos na igreja. Faça com que entendam que um discípulo maduro, sustenta a igreja por intermédio de suas ofertas e de seus dízimos e trabalha no discipulado de outras pessoas por meio de sua dedicação à obra de Deus.


Na igreja pequena se aprende a valorizar o relacionamento pastoral fraterno e o mesmo princípio será desenvolvido com seus membros. O seu testemunho é de fundamental importância: você é referência de vida cristã. Você se encontra na condição de influenciador e formador de opinião. Mesmo que você não queira, vão copiar você em suas posturas e exemplos que você dá ao se relacionar com sua membresia.


Ministério profícuo


Que você saiba valorizar os pequenos começos. Não queime nenhuma etapa em seu crescimento espiritual e emocional. Tenha como desafio pessoal se tornar um obreiro/obreira melhor – sempre há o que melhorar em nós. Faça como o apóstolo Paulo que aprendeu a viver bem em qualquer situação e ao final de sua vida disse:

“Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé” – 2 Timóteo 4.7.

Eu desejo que você desenvolva o seu ministério segundo o padrão bíblico e wesleyano e que seja bem-sucedido/sucedida. Que o Deus da paz, vos aperfeiçoe para cumprirdes a sua vontade.


Com a bênção do Deus Pai, Filho e Espírito Santo.


José Carlos Peres

Bispo presidente da Igreja Metodista 3RE


#Metodista3re #IgrejaMetodista #BispoPeres

146 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo