top of page
  • Foto do escritorSede Regional 3RE

Sexta-feira da paixão: o dia em que o amor tomou forma de cruz

Lucas 23:44-49

A morte na cruz era, no mundo romano, uma horrível forma de castigo. Somente os assassinos mais cruéis eram submetidos a este tipo de morte escandalosa! E foi justamente desta maneira que mataram o filho de Deus, que se fez maldito por nós; nesse sentido, podemos dizer que a cruz, para os cristãos, de um símbolo de maldição, após a crucificação de Jesus, tornou-se um símbolo de salvação, amor e perdão.

“Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus”. (1 Co 1.18)

No dia em que chamamos Sexta-feira da Paixão, lembramos do imenso sofrimento que Jesus passou na cruz e porque Ele escolheu passar por tudo isto. Nessa linha de pensamento, pode-se destacar dois motivos principais, a saber: obediência a Deus para salvar a humanidade já condenada, “Disse-lhes Jesus: A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra”. (João 4.34); o segundo motivo foi a paixão de Jesus por cada um de nós, miseráveis pecadores. A palavra paixão, tão mal-empregada nos tempos atuais, define, simplesmente, desejos humanos e, em grande parte, desejos carnais, fugindo totalmente do seu sentido original e bíblico, que denota uma entrega desmedida, profunda inconsequente! Do grego “pathos” esta paixão cumpriu o que diz o evangelho de João no capítulo 3.16 “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.


De acordo com a narrativa de Lucas, conforme referência citada no cabeçalho deste texto, da hora sexta - meio dia, à hora nona - 3 horas da tarde, houve densas trevas e o véu do santuário se rasgou; após isto, Jesus gritou: Pai em tuas mãos entrego meu espírito; assim conclui sua obra na cruz. Todos/as que estavam assistindo aquele espetáculo tiveram que reconhecer: de fato Jesus era e é o filho do Deus vivo!


Então, como podemos notar, a Sexta-feira da Paixão é para nós um dia de suma importância pois, neste dia Deus, através de Jesus, venceu a morte definitivamente. Como se sabe, a cruz não foi o fim para o Filho de Deus, que ao terceiro dia ressuscitou e está à direita de Deus Pai.


Portanto, que neste período, bem como todos os dias de nossas vidas, possamos abrir o coração para o grande amor de Deus, reconhecendo a obra da cruz relembrada no hino 269 de nosso hinário (Hinário Evangélico) em seu refrão:

“Foi na cruz, foi na cruz, Onde eu vi meu Jesus, O castigo por mim suportar; Pela fé, logo ali, Os meus olhos abri, Desde agora na luz desejo andar”.
Enoque Rodrigo de Oliveira Leite

Pastor na Igreja Metodista em Jardim Capela


106 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page