top of page
  • Foto do escritorSede Regional 3RE

Dos bens dos cristãos (24)

As riquezas e os bens dos cristãos não são comuns, quanto ao direito, título e posse dos mesmos, como falsamente apregoam alguns; não obstante, cada um deve dar liberalmente do que possui aos pobres”.


– Artigo 24 dos Vinte e Cinco Artigos de Religião do Metodismo Histórico.


Eu me converti em 1974. Conheci e comecei a frequentar a Igreja Metodista no final de 1975. Tornei-me membro da Igreja Metodista em Vila Maria (com 14 anos) no dia 19 de fevereiro de 1978. Fui chamado por Deus para o Ministério Pastoral em 1980. Ingressei na Faculdade de Teologia em 1985 e recebi minha primeira nomeação (como Pastor Acadêmico) em 1987. Com este breve histórico sobre a minha caminhada na Igreja Metodista, tenho o propósito de mostrar o tempo que amo, admiro e aprecio esta Igreja, na qual tenho servido ao meu Deus e Pai Celestial (quer como leigo que fui, quer como clérigo que sou há 32 anos).


Mãos apresentando a casa

João Wesley, desde o chamado “Movimento Metodista”, ensinava, demonstrava e enfatizava que a vida cristã não deve se restringir, se limitar ou mesmo se dar apenas dentro do templo. Wesley propõe/sugere à prática da vida cristã/religiosa elementos que envolvem questões de ordem pessoal (verdadeira conversão, prática das Disciplinas Espirituais etc.), de ordem relacional (respeito, cordialidade etc.), de ordem social (atenção, envolvimento, serviço, testemunho etc.). É interessante e impressionante notar na estrutura e na organização da Igreja Metodista o cuidado com o ser humano, sua vida, suas relações e até mesmo com os seus negócios.


No Artigo 24, dos Vinte e Cinco Artigos de Religião do Metodismo Histórico (um dos elementos que orientam a Tradição Doutrinária Metodista), encontramos uma definição, uma orientação e uma afirmativa clara sobre as riquezas e os bens dos cristãos.

Para João Wesley e, por conseguinte, para a Igreja Metodista cada cristão tem o direito, o título e a posse das suas riquezas e dos seus bens,

o que significa dizer que ninguém (absolutamente ninguém), pode e/ou deve arvorar-se dono ou destinatário destas riquezas e destes bens, ao contrário do que se apregoava à época.


Porquinho de cofre

Cada cristão tem o direito, pode e deve naturalmente no curso de sua vida (por meio do seu trabalho, do seu esforço e no suprimento de suas necessidades) amealhar bens e até acumular riqueza (ler Mateus 6.19-21), sem obrigar-se a fazer isto ou aquilo, ou mesmo a sujeitar-se a outrem no que se refere ao o que fazer com seus bens e suas riquezas.


No contexto do título deste Artigo 24 quero trazer à memória uma das célebres frases de João Wesley:

“Ganhe o máximo que você puder, gaste o mínimo que você conseguir para ofertar o máximo que você for capaz”.

Na Teologia Wesleyana/Metodista há ensinos e orientações de toda ordem, como se observa na notável frase de João Wesley que enfatiza o trabalho, a economia e a liberalidade.


Mão estendida para ajudar

Para João Wesley, cada cristão deve ser proprietário de suas riquezas e dos seus bens. Wesley destaca a importância de se praticar a liberalidade, dispondo do que se possui (se assim entender, se assim decidir) aos pobres. Entendemos que tal liberalidade também se estende à Obra de Deus, ao Reino de Deus quando, na prática da nossa fé, consagramos nossos dízimos e nossas ofertas no altar do Senhor. A observância desta prática propiciará que a Igreja cumpra o “Ide” de Jesus, assista aos necessitados e tenha condições de arcar com todos os seus compromissos.


Wagner dos Santos Ribeiro

Pastor na Igreja Metodista em São Caetano do Sul


162 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page